sábado, 6 de fevereiro de 2016

Retrospectiva

Em 1978 com a idade de 15 anos, estava integrado na comunidade evangélica, fazendo parte da Igreja Evangélica Baptista de S. Domingos de Benfica em Lisboa, e ao assistir ás reuniões de jovens da mesma que se realizavam aos sábados pelas 15.00 e dirigidas por Fausto Martins da Mocidade Para Cristo, tive conhecimento da chegada de um navio evangélico cujo nome era Doulos (nome grego para servo), que tinha abordo uma exposição de livros e a sua tripulação era composta por pessoas voluntárias de 27 nacionalidades. Enquanto candidato a voluntário durante a estadia do navio em Lisboa, tive a oportunidade de estar abordo nas datas de 15 de Julho a 2 de Agosto.
Na sequência de reuniões de intercessão numa sala denominada Cenáculo da Mocidade para Cristo, situada na R. S. Nicolau, 26-5ºsala6 em Lisboa, e que ocorriam ao final da tarde de cada segunda feira entre ás 18.00 e as 20.00, dirigida pelo seu Director Nacional, Moisés Santos Gomes, e que reunia jovens da várias igrejas evangélicas de Lisboa, com a partilha de assuntos para oração, observei um folheto que fazia referência a um congresso da Associação Missionária Europeia.
Este congresso iria ocorrer em Lausanne na Suiça entre os dias 27-12-1979 e 02-01-1980, e era designado Missão 80. Eu tive a maravilhosa oportunidade de participar neste congresso, partindo de Lisboa em autocarro no dia 25-12-1979, por terras de Portugal, Espanha, França e Suiça, tendo chegado a Lausanne cerca da 01.00 da madrugada do dia 27, para um evento que tinha como tema Filipenses 2.11 que diz Que toda a Língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, num acontecimento que ocorreu no Palais de Beaulieu, no qual estiveram 6842 pessoas de mais 26 países e 11 línguas diferentes, num evento que marcou para melhor a vida de muitos daqueles que participámos.
  Como crente evangélico fui-me integrando em grupos de jovens e procurei participar em actividades relacionadas com o movimento evangélico que iam acontecendo, tendo feito parte de dois grupos corais, tendo cantado em tournée por várias zonas do país, integrado no coral cântico Novo da Mocidade Para Cristo, e no coral da campanha evangelistica Cristo a Verdade que Liberta da Convenção Baptista Portuguesa, e que actuou no Coliseu dos Recreios em Lisboa.


 O convívio cristão com as igrejas que representam a comunidade evangélica, levou a ter conhecimento de uma organização denominada Liga de Testamento de Bolso, que iria levar a cabo uma conferência de missões Llamada 84 e Llamada 88 nas cidades espanholas de Valência e Zaragoza, tendo eu mais uma vez viajado com um grupo de jovens para mais uma experiência enriquecedora, em que somos confrontados com as necessidades espirituais de outros povos, e desfiados a integrar missões e utilizar os meios de que dispomos para espalhar a palavra de Deus.


O Movimento Estudantil e Profissional para Cristo, utilizou os meios de comunicação avançados para promover uma conferência mundial sob o lema (Vem Ajudar a Mudar o Mundo) que ocorreu em 1985 e que denominou Explo 85, tendo reunido 600 mil pessoas por todo o mundo via satélite. Todos os dias pelas 15.00, entre os dias 27 e 31 de Dezembro daquele ano, aqueles que participámos, podíamos cantar em simultâneo, vendo imagens.
Em portugal este evento decorreu na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, tendo sido mais um desafio a que cada um fizesse um pouco para ajudar a mudar o mundo.

A década de 1980 foi um período em que cresci, tendo em conta as muitas actividades em que me envolvi, estando mais uma vez abordo do navio Doulos que tinha a sigla GBA-Good Books For Alls, que em 1985 visitou Portugal pela segunda vez, tendo estado no Porto, Lisboa, aberto ao público, fazendo também doca seca nos estaleiros da Margueira-Lisnave, abrindo depois em Setúbal, tendo eu feito parte da tripulação do navio partindo para Cadiz e Málaga, em Espanha. Da tripulação deste navio faziam parte 300 pessoas oriundas de 35 países diferentes dos cinco continentes, num navio construído em 1914, que transportava 350 toneladas de livros, e que nos anos 90 entrou para o Guiness Book of Records, como o navio de passageiros mais antigo do mundo em navegação que 2010 completou 96 anos, e terminou a sua actividade, abrindo ao público como museu em Singapura.
A Associação Missionária Europeia, levou a efeito mais três congressos missionários em Utrecht, na Holanda em 1986, 1989, e 1993, em que viajando pelas estradas da Europa, partindo desde Portugal para um destes eventos, foram 12 autocarros com participantes para uma destas conferências de desafio missionário, em que independentemente do cariz cristão e evangelistico, foram acontecimentos em que prevaleceu o enriquecimento espiritual,  intercâmbio de culturas e a necessidade de com base no que aprendemos, estarmos mais sensíveis para ajudarmos a transformar vidas e comunidades.

Em Abril de 1987, a organização evangélica Palavra da Vida, organizou uma viagem a Inglaterra para um acampamento de Páscoa em Bristol, que decorreu entre 8 e 22 de Abril em que nos 8 dias naquela localidade do sul da Inglaterra, praticou-se desporto, houve momentos de louvor e momentos para se ouvir falar da palavra de Deus, tendo sido um dia passado em Londres, outro em Paris e ainda outro em Barcelona, tendo aliado mais este período a momentos marcantes na minha vida.      

                                                                          
Na década de 1980 uma família evangélica, tendo conhecimento da situação dramática em que eu vivia no meu seio familiar, ofereceu-me casa e emprego, e em 1988, mudei-me para Santiago do Cacém, e posteriormente para Sines, tendo trabalhado na distribuição de produtos alimentares, na metalúrgica, em vendas de consumíveis, na construção de uma ponte para a Dinamarca e na vigilância no Porto de Sines.


 Oldemburgo é uma cidade no norte da Alemanha onde integrado num grupo de jovens cristãos evangélicos, participei pela primeira vez em 2007 num evento denominado Teen Street, que reunindo cerca de 4000 adolescentes e jovens, leva a efeito atividaddes diversas como jogos, mini-grupos, concertos, aconselhamento, exposições e pregação da Palavra de Deus.
Este evento requer a colaboração de intervenientes voluntários nas áreas da distribuição da alimentação, da segurança, limpeza e distribuição de head-fones, sendo estes voluntários denominados de Service Team, sendo esta a área onde me enquadro com participante.
     Sendo Portugal um país com fortes tradições marítimas, e sendo organizada em Lisboa a Exposição Internacional dos Oceanos, Expo 98, vi essa exposição como mais um desafio para mim, tendo-me inscrito como voluntário para colaborar um período durante o evento, tendo tido a alegria de ser um dos muitos seleccionados, sendo colocado nas acreditações, na denominada área Internacional Norte.
Tive a possibilidade de visitar o recinto da Expo 98, e constatar como foi possível transformar um local que antes era um amontoado de sucata, lixo, instalações votadas ao abandono, num local aprazível, reabilitando a parte oriental da cidade de Lisboa, atraindo milhares de visitantes, o que enriqueceu a cultura portuguesa e projectou a imagem de Portugal no mundo.
Expo 98, pela sua riqueza cultural, foi um evento que marcou de forma muito positiva, a vida de muitos, inclusive a minha, pela possibilidade de conhecer de perto outras culturas, partilhar experiências, aprendendo com outros.
O meu percurso escolar foi muito pobre devido aos traumas de infância e juventude, mas sempre tive o desejo de aprender mais, pelo que em 2000, eu tinha apenas a 4ªclasse do ensino primário, mas seguindo os concelhos de um amigo, e depois de ter frequentado várias acções de formação para enriquecimento pessoal, decidi através do Sistema Nacional de Validação de Competências, frequentar o ensino secundário, tendo concluído com êxito o 9º ano em 2004, e posteriormente a 30-12-2009, no seguimento de uma formação requisitada pela Administração do Porto de Sines, no âmbito do programa Novas Oportunidades, concluí o 12º ano.
Não foi apenas a possibilidade de frequentar acções de formação, ou de participar em congressos e outros eventos, mas o facto de me cruzar com seres humanos com os quais pude trocar ideias, escutar opiniões, que me fez chegar à conclusão de que a interacção entre seres  humanos, é um enriquecimento para todos, e no meu caso pessoal
contribuiu para escolhas saudáveis, formação moral e intelecto.



A intensa actividade da comunidade evangélica nos anos 80, proporcionou-me a possibilidade de participar em acampamentos de Verão na Palavra da Vida, na Lagoa de Santo Isidoro-Mafra e no acampamento da Convenção Baptista Portuguesa, em Água de Madeiros, sendo ambos os períodos de um grande crescimento e aprendizagem pessoal, tendo sido todas as actividades nas quais participei, no seu conjunto, uma fonte de enriquecimento pessoal que mais tarde se traduziria no meu gosto pela escrita.
      Sou Américo Lourenço, nasci a 29 de Junho de 1963, e este percurso de vida ficaria incompleto se não referisse que tem sido um percurso sinuoso qu começa aos 4 anos de idade, com um atropelamento por um comboio na linha de Sintra, em Lisboa e muitos outros acontecimentos menos bons. Aos 12 anos de idade, aceitei Jesus como meu Salvador, e considero que ao longo deste percurso, com 16 intervenções cirúrgicas, e muitos momentos menos bons, Deus tem-me compensado ao dar-me a possibilidade de viver momentos muito ricos em termos humanos, mas também em termos espirituais.
As dificuldades físicas que decorrem de fracturas, e das 16 intervenções cirúrgicas, não me impediram de tentar contornar os obstáculos, participando em mini-maratonas, de ter lançado a 10 de Março de 2012, o Livro Entardecer, e em 18 de Outubro o livro Retrato Social, dando ainda o meu contributo numa estrutura partidária, tendo sido candidato à presidência dos destinos de uma autarquia local


Enquanto cidadão consciente da necessidade de ser solidário com outros, tal como alguns foram comigo, durante um dos muitos internamentos a que estive sujeito no início dos anos 90, apesar de na altura não poder andar, pensei que haveria de conseguir levantar-me, enquanto muitos outros, em circunstâncias piores, já não teriam essa possibilidade, pelo que seria a minha vez de retribuir os gestos solidários.
Tornei-me Amigo da AMI-Assistência Médica Internacional, dando um pequeno contributo financeiro regular, além de ter doado vestuário, angariei verbas através da venda de artigos da AMI, recolhi radiografias para extracção dos sais de prata cujas receitas ajudariam a financiar as acções desenvolvidas pela AMI, no apoio aos mais desfavorecidos, e levei a efeito três programas solidários de divulgação e angariação de fundos para a AMI.
Nada do que fiz, teve qualquer outro objectivo que não fosse o de ser solidário, mas não fui entendido assim, pelo que o facto de passar uma fase menos propícia para contribuir de forma regular, o acolhimento frio por parte dos responsáveis da instituição, e a imposição da obrigatoriedade de uma contribuição periódica, bem como a não resposta a uma carta enviada com algumas observações pertinentes, ás quais esperava uma resposta, foram as razões que me levaram a cancelar a minha inscrição como Amigo da AMI, sem deixar de ser solidário. 
Nota   
As muitas fases menos agradáveis pelas quais tenho passado e conseguido ultrapassar, devem-se ao facto de sentir que Deus está comigo e me tem dado força para vencer.
Romanos 8:37 diz: Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores por Aquele que nos Amou
O filósofo francês Pascal disse que dentro de cada ser humano há um vazio com a forma de Deus, por isso não é a religião que preenche o ser humano, mas sim Deus

Américo Manuel da Silva Lourenço

Sem comentários:

Enviar um comentário

Realidade da Politica Portuguesa